sábado, fevereiro 20, 2016

E um dia, não belo e sim angustiante, você descobre que sua psiquê é capaz de criar um nó só para te fazer admitir que é capaz de amar, de fato, em ação e corpo, e não só platonicamente. Um dia talvez eu olhe para trás e, sem angústia, veja a beleza de uma história de amor. No momento ainda tento vencer a angústia de ultrapassar uma neurose e poder amar.

domingo, fevereiro 14, 2016

Todas as Cartas de Amor são Ridículas

Todas as cartas de amor são 
Ridículas. 
Não seriam cartas de amor se não fossem 
Ridículas. 

Também escrevi em meu tempo cartas de amor, 
Como as outras, 
Ridículas. 

As cartas de amor, se há amor, 
Têm de ser 
Ridículas. 

Mas, afinal, 
Só as criaturas que nunca escreveram 
Cartas de amor 
É que são 
Ridículas. 

Quem me dera no tempo em que escrevia 
Sem dar por isso 
Cartas de amor 
Ridículas. 

A verdade é que hoje 
As minhas memórias 
Dessas cartas de amor 
É que são 
Ridículas. 

(Todas as palavras esdrúxulas, 
Como os sentimentos esdrúxulos, 
São naturalmente 
Ridículas.) 

Álvaro de Campos, in "Poemas" 
Heterónimo de Fernando Pessoa 
http://www.citador.pt/poemas/todas-as-cartas-de-amor-sao-ridiculas-alvaro-de-camposbrbheteronimo-de-fernando-pessoa

quarta-feira, setembro 02, 2015

Um mundo onde crianças morrem na praia pois seus pais tentavam fugir de uma realidade violenta. E isso não foi uma tragédia unica, imprevisível, ela vem sendo anunciada há meses (eu vi). Era o pior dos tempos, tomara que ainda possa ser o melhor dos tempos também.
Do paradoxo, adolescente talvez, de se sentir que há urgências na vida mas sabendo que não é possível realizar a vida de forma urgente.

segunda-feira, agosto 10, 2015

Será que não poderia a paixão, o momento fugidio do apaixonamento, ser considerado uma formação do insconsciente? Afinal, por qual razão nos apaixonamos? O que é o "brilho no nariz" que inicia toda uma aventura psico-emocional? Será que não diz do nosso desejo inconsciente, de um significante qualquer que é só aquele, ao menos por quanto durar?

domingo, agosto 02, 2015

Eu achei Mad Max - Estrada da Fúria violento, praticamente um filme de terror. Ele é isso. É um ótimo filme, cuja sequência de abertura flerta com a linguagem de video-games tornando-a cinema. Mas aí hoje, mudando canais numa tarde domingo, eu acabei vendo o primeiro Mad Max. Filme australiano, de baixo orçamento, do ano em que nasci. E que já era um filme violento, quase de terror (passa na HBO com restrição para menores de 18 anos). Só que a ideia do futuro distópico de 36 anos atrás parece quase normal hoje (futuro distópico, aqui estamos?!). Já deve ter alguma boa análise da filmografia Mad Maxiana do diretor George Miller por aí. Vou procurar...

terça-feira, julho 07, 2015

Pressionar o governo instituído é parte do jogo político-democrático da oposição. Gritar, xingar, ameaçar, tudo isso é jogo baixo mas é do jogo, o partido vencedor bem o fez nas eleições do ano passado. Mas flertar com ideias golpistas e fundamentalistas pode ser perigoso para todos. Eu não vivi o golpe de 1964, mas eu tenho lembranças importantes de uma infância marcada pelas notícias da redemocratização, e da morte do Tancredo e da inflação e do resultado collorido de 1989. E eu quero crer que o povo aprendeu algo com o golpe, que as elites, por mais que nesse lugar queriam ficar e se sintam ameaçadas por um povo que pensa e demanda mais seus direitos e a divisão das riquezas, não flertariam com o desastre de mexer com forças retrógradas mais uma vez. Eu quero acreditar. Não deve ser a toa que Arquivo X vai voltar.